Informe Jurídico: Inclusão de pessoa jurídica pode ser dispensada em ações sobre legitimidade de alteração contratual

Selo SECOVI-DF

SOLICITE AGORA ir!

Boletim

 

Os principais números do mercado do DF.Baixar

Newsletter SECOVI-DF

 

Assine nossa Newsletter. Assinar

Convenção coletiva

Baixe a convenção Coletiva.Baixar

Smaller Default Larger

Informe Jurídico: Inclusão de pessoa jurídica pode ser dispensada em ações sobre legitimidade de alteração contratual

A Assessoria Jurídica do Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) informa que nas situações em que não houver prejuízo às partes envolvidas pode-se dispensar a presença de pessoa jurídica no polo passivo de ação que discute alterações de cláusulas do contrato societário.

O entendimento  é da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que rejeitou recurso especial de sócio que contestava ação de nulidade apresentada pelo outro sócio, na qual não foi incluída no polo passivo a empresa, que era formada apenas pelos dois cotistas. A decisão foi unânime.


Na ação de nulidade, um dos sócios alegou que teve sua assinatura falsificada em três alterações contratuais que implicaram a dissolução parcial da sociedade, o encerramento das atividades de uma das filiais da empresa e a alteração do objeto social.

O Tribunal de Justiça do Paraná reconheceu como fraudulentas as assinaturas do sócio e, por isso, decretou a nulidade das modificações do contrato social.

Por meio de recurso especial, um dos sócios alegou que o processo possuía nulidade insanável, pois a pessoa jurídica não integrou o polo passivo do processo de nulidade.

A relatora do recurso, ministra Nancy Andrighi, explicou que, nas ações que discutem a alteração de cláusulas de sociedades por cotas de responsabilidade limitada, o polo passivo deve ser ocupado, via de regra, tanto pela pessoa jurídica quanto pelos demais sócios. Todavia, no caso concreto analisado, a ministra ressaltou que o objetivo da ação não tinha relação com a dissolução da sociedade, mas com a invalidade de alterações contratuais realizadas mediante fraude. Por isso, a ministra manteve a decisão do Tribunal de Justiça do Paraná.

Com informações do STJ

SECOVI-DF nas redes sociais

Aviso!